Três referências em jornalismo freelance


Estive lendo alguns textos do escritor e mestre do empreendedorismo brasileiro, Fernando Dolabela, e tive a ideia de produzir esse post que você está lendo agora quando Dolabela comentou que todo empreendedor tem suas referências.

Da esquerda para a direita, os jornalistas Maurício Oliveira, Juliana Cunha e João Marcos Rainho, boas referências em jornalismo freelance

Da esquerda para a direita, os jornalistas Maurício Oliveira, Juliana Cunha e João Marcos Rainho, boas referências em jornalismo freelance

Apesar de eu não ser um empreendedor nato, mas apenas um estudante buscando um caminho dentro do jornalismo, tenho uma pequena lista de referências de jornalistas empreendedores. Ela é constituída por pessoas – cada uma no seu estilo – que disseram coisas indispensáveis para quem quer encontrar um rumo trabalhando com jornalismo freelance. Confira:

Referência 1: Juliana Cunha Leia mais deste post

Anúncios

Jogos simulam aspectos da profissão de jornalista


Se você gosta de jogos e simuladores, mas nunca tinha visto nada exclusivo para jornalistas, o “Footballidendity”, o “Tabloid Tycoon” e o “Global Conflicts: Palestine”, são exemplos bem interessantes.
 
A partir desses três simuladores – você que é estudante de jornalismo – poderá apredender a lidar com alguns aspectos do cotidiano da sua futura profissão:
  • O sensacionalismo e a ética no jornalismo;
  • A ética e a notícia tratada como produto;
  • Jornalismo e audiência: a prática do jornalismo no meio capitalista;
  • A prática do jornalismo freelance em regiões conflituosas;
  • Os interesses econômicos, políticos e até religiosos, envolvidos numa apuração e divulgação jornalística;
  • A apuração da notícia: o elo entre jornalismo e investigação;
  • Relação entre o jornalista e suas fontes;
  • Elaboração de textos jornalísticos, dentre outros fatores.
E se os simuladores são ferramentas essenciais para aspirantes a piloto de avião, agora eles podem começar a fazer parte do aprimoramento de estudantes de jornalismo. E não há nada melhor do que aprender e se divertir ao mesmo tempo :).
 
Leia mais, a seguir, a respeito desses três jogos: Leia mais deste post

Como organizar um arquivo de pautas para uso em jornalismo freelance


A dica deste post diz respeito a uma coisa muito básica para quem quer trabalhar com jornalismo freelance: A organização de pautas. Esta dica é endereçada aos estudantes de jornalismo do primeiro semestre ou aqueles que estão pensando em ingressar na faculdade de jornalismo.

No entanto, as informações apresentadas aqui não são para os gênios que conseguiram entrar na USP ou em Harvard, mas sim, para os heróis que vão estudar ou já estudam nas “UniSant’Annas”, nas “UniMarcos” e nas “UniNoves” da vida. Digo heróis porque a maioria desses estudantes terão que conciliar um trabalho que não tem nada a ver com jornalismo, à vida pessoal, à faculdade e às reuniões nas associações que lhes dão direito a um desconto de aproximadamente R$ 300,00 na mensalidade.

Estudantes de jornalismo que estudam em centros universitários particulares participam de reuniões em associações como a ATST (foto) - juntamente com estudantes de outras profissões - para conseguir um desconto. A maioria desses estudantes de jornalismo não atua na área de jornalismo. Foto: educarparavida.com.br
Estudantes de jornalismo que estudam em centros universitários particulares participam de reuniões em associações como a ATST (foto) – juntamente com estudantes de outras profissões – para conseguir um desconto. A maioria desses estudantes de jornalismo não atua na área de jornalismo. Foto: educarparavida.com.br

Logo, uma hora ou outra, os estudantes que trabalham na linha de produção de fábricas, os que atuam como atendentes em telemarketing e os que estão empregados nos mais diversos escritórios ou tipos de trabalho e, ao mesmo tempo, matriculados no curso de jornalismo em um centro universitário particular, terão que resolver um dilema:

  1. Escolher continuar no emprego atual;
  2. Escolher atuar na área de jornalismo.

Considerando que o total a ser pago num curso de jornalismo pode chegar a R$ 20 mil (levando em conta o desconto fornecido a quem participa de alguma associação como a Associação dos Trabalhadores Sem Terra, ATST) é bem lógico que todos os estudantes queiram fazer logo a mudança da opção 1 para a opção 2 citadas acima.

A primeira alternativa de mudança é o estágio. Estágios na área de comunicação costumam pagar algo em torno de R$ 600,00. A outra alternativa é ingressar no jornalismo freelance e, para isso, é preciso aprender a fornecer pautas para os veículos de comunicação. E para acostumar-se a essa rotina, um dos caminhos é a organização de um arquivo de pautas.

Como organizar um arquivo de pautas Leia mais deste post

Newseum é a Meca dos jornalistas


O Newseum é o maior museu dedicado ao jornalismo do Planeta Terra. Fundado em abril de 2008, hoje é a Meca dos jornalistas com carteira assinada e, também, dos praticantes do jornalismo freelance.

O prédio do Newseum em Washington (EUA) é um bom lugar para ser visitado por jornalistas com vínculo empregatício e também pelos empreendedores do jornalismo freelance

O prédio do Newseum em Washington (EUA) é um bom lugar para ser visitado por jornalistas com vínculo empregatício e também pelos empreendedores do jornalismo freelance

Situado entre a Pennsylvania Ave NW e 6th St NW, próximo à Casa Branca, em Washington D.C., EUA, o Newseum tem características muito especiais:

  • O edifício possui 7 andares e 640 mil metros quadrados, dentre os quais, 250 mil metros quadrados servem para abrigar  diversas atrações distribuídas em exposições interativas, coletâneas de objetos e páginas de jornais do mundo inteiro;
  • Toda a estrutura do edifício que abriga o museu custou 450 milhões de dólares;
  • O prédio guarda mais de 65 toneladas de artefatos, dentre eles, o satélite CONUS 1;
  • Excluindo fotografias e jornais, o Newseum possui mais de 8 mil artefatos em sua coleção;
  • O artefato mais antigo é um tijolo cuneiforme da Suméria com idade de 3.264 anos;
  • Tem 35 mil páginas históricas de jornais com cobertura de quase 500 anos;
  • Mantém em exibição em uma exposição permanente 3.800 imagens entre fotografias, desenhos animados e histórias em quadrinhos. Leia mais deste post

Escolha um “escritório” com internet gratuita, em qualquer lugar do mundo, para exercer o jornalismo freelance


Se tem uma coisa que os praticantes do jornalismo freelance não gostam é de lugares fechados, de onde eles não podem ver o mundo. Um jornalista freelance gosta mesmo é de pessoas, de liberdade, de ambientes reais de onde ele possa captar alguma ideia para criar um livro, uma grande-reportagem ou um trabalho de fotojornalismo, por exemplo.

Escritórios podem ser elegantes, mas quem trabalha com jornalismo freelance gosta mesmo é de ar livre, de onde seja possível tirar bons assuntos para escrever ou fotografar. Na imagem, protesto contra a não exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalismo. Foto: Naldo Gomes

Escritórios podem ser elegantes, mas quem trabalha com jornalismo freelance gosta mesmo é de ar livre, de onde seja possível tirar bons assuntos para escrever ou fotografar. Na imagem, protesto contra a não exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalismo. Foto: Naldo Gomes

E, pensando em reduzir os custos operacionais do jornalista freelence, quero apresentar um localizador de internet grátis (Wi-Fi):

  • JiWire Global Wi-Fi Finder

Este aplicativo é capaz de encontrar mais de 300 mil pontos de acesso wi-fi gratuitos e pagos à internet em mais de 140 países. É claro que nós iremos nos concetrar nos gratuitos, não é mesmo :-)?

Vamos fazer isso de um jeito divertido, com uma missão, uma pauta fictícia:

Pauta:

Ouvimos no rádio que está havendo um passeata envolvendo mais de um milhão de pessoas em favor da não mais utilização de notas fiscais para trabalhos autorias de jornalistas (Seria uma maravilha se isso ocorresse de verdade).

Rapidamente, pegamos nossa câmera fotográfica, o notebook e vamos direto para o Anhangabaú, onde ocorre a manifestação.

Nosso trabalho será fotografar e produzir notícias instantâneas para um blog e oferecer textos, fotos e vídeos a veículos de comunicação variados.

Antes de sairmos de casa, porém, é necessário procurar no JiWire os pontos de acesso à internet gratuitos e disponíveis no local. Como fazer isso? Siga essas instruções:

  • Digite Jiwire.com no seu navegador;
  • Em seguida, clique em “Global Wi-Fi Finder“, como indicado pela seta vermelha: Leia mais deste post

Um ano de Jornalismo Freelance


O blog do Jornalismo Freelance completou seu primeiro ano de idade neste dia 19 de outubro de 2010 com uma audiência de pouco mais de 10 mil acessos.

O blog Jornalismo Freelance faz aniversário, mas é você quem ganha presente: conteúdo de qualidade e serviços de primeira linha

O blog Jornalismo Freelance faz aniversário, mas é você quem ganha presente: conteúdo de qualidade e serviços de primeira linha

Não foram tantos expectadores assim, mas nada mal para um blog que tem servido como local de publicação de experiências acadêmicas e ao mesmo tempo como forma de divulgação de alguns serviços prestados por um jornalista freelancer que ainda está em processo de gestação, cursando o 5º semestre do curso de Jornalismo da UniSant’Anna (esse sou eu :)). 

Somente a página principal de Jornalismo Freelance foi visitada 2.888 vezes nesse período. Foram publicadas diversas entrevistas e reportagens, dentre as quais transcrevo abaixo as dez primeiras mais visitadas com um pequeno resumo e um link para leitura na íntegra. Algumas têm vídeos outras não. Vejamos:

%d blogueiros gostam disto: