Entrevista com a campeã brasileira de xadrez, Agatha Hurba Nunes


A campeã brasileira de xadrez sub-12/2010, Agatha Hurba Nunes e sua mãe, Marina Hurba Nunes falam, ao blog Jornalismo Freelance, sobre treinamento, jogos, campeonatos e os benefícios do esporte

Agatha venceu o brasileiro sub-12 e treina para vencer outros campeonatos

Agatha venceu o brasileiro sub-12 e treina para vencer outros campeonatos

__________ 

Naldo Gomes: Como você encontrou o xadrez na sua vida?

Agatha Hurba Nunes: Quando eu era criança meu pai tinha um tabuleiro, mas não sabia jogar direito. Ele só sabia mover as peças. E quando… Eu tenho dois irmãos mais velhos. Meu pai mostrou o xadrez para eles, quando eu ainda não era nascida. Eles não se interessaram muito quando eram mais novos. Mas à medida que foram ficando mais velhos, foram se interessando. O Alan e o Guilherme jogavam em casa, mas depois descobriram torneios que tinham no Clube de Xadrez e começaram a jogar.

Quando eu tinha três anos, eu os via jogando e tinha vontade de aprender. Meu pai não queria me ensinar, mas eu chorava para aprender. Eu queria por que queria aprender. E teve um dia que ele me ensinou. Eu tinha uns três anos. Ele me ensinou a mover as peças. Eu ainda não sabia ler e escrever e não havia entrado na escola.

Assista essa entrevista:

Com quatro anos eu já sabia mexer as peças e eu fui gostando muito de xadrez. Aos cinco anos participei do meu primeiro torneio. Era um torneio bem grande onde havia várias pessoas, e como eu era bem iniciante não ganhava nenhuma. E na última rodada, na última partida do torneio eu consegui empatar a partida e…

Num primeiro torneio, empatar uma partida foi muito bom para mim e eu gostei muito. E como eu era pequenininha no meio de pessoas bem maiores do que eu, me deram um prêmio – um DVD – de melhor jogadora do torneio. Até fizeram uma entrevista, também. E aí eu fui começando a gostar, treinar, jogar melhor. E comecei a participar do [Campeonato] Paulista e do Brasileiro.

Quando eu tinha oito ou sete anos eu ganhei o Paulista. Quando eu tinha oito anos eu fui vice-brasileira. Foi um desempate com outra garota e eu acabei perdendo esse desempate. Mas foram nove partidas para desempatar e aí, eu acabei perdendo e fiquei em segundo lugar.

Continuei jogando e ficando em vice, terceiro, fui treinando e jogando. Esse ano, no Paulista, eu fiquei em terceiro lugar. Agora [2010], no Brasileiro, faz um mês, mais ou menos, eu fui jogando e jogando, ganhei de várias pessoas, no final, eu não perdi nenhuma e ganhei o torneio. E fiquei muito feliz.

E aí eu fui campeã e fiquei numa felicidade enorme porque eu nunca tinha ganhado um Campeonato Brasileiro. E agora eu estou jogando vários torneios: Pensado, vinte minutos, porque eu estou tentando ir para o Pan-americano que vai ser, mais ou menos, em agosto. É essa a história.

NG: Gostaria que você me respondesse agora: Como é que fica o coração de uma mãe durante um torneio como esse?

Marina Hurba Nunes: Nossa! É uma emoção muito grande, mistura emoção com nervosismo, felicidade. Aquela partida, você chora de emoção, chora de tristeza, de espera. É uma emoção muito legal. Perdendo, ganhando ou empatando, não tem explicação, é muito bom.

NG: Sabemos que o xadrez pode trazer inúmeros benefícios para uma pessoa e até para uma família. Como o xadrez funciona – nesse sentido – na família de vocês? Que benefícios o xadrez trouxe à sua família?

MHU: Ah! Trouxe muitos. Até a união, a gente participa de torneios juntos, levamos os três filhos, o meu marido também joga, eu também já participei. Já teve torneios em que a família toda participou. Nós cinco, uma equipe. Então, é muito legal. E na escola também, o desempenho dela em matemática. Ela tem sempre as melhores notas. Em outras matérias, os professores falam que ela pega tudo na hora. E ajuda muito, em tudo.

NG: Tem algum jogador ou jogadora do passado ou da atualidade em que você se espelha e que você fala: “Ah! Eu quero ser que nem ele”?

AHU: Ah! Eu gosto bastante da Amanda [Marques], ela joga muito bem. Da Juliana Terao… E a Judit Polgar.

Leia posts relacionados:

Roberto Stelling dá as dicas para quem quer ser árbitro de xadrez;
O xadrez faz mágicas na educação;
O blog Jornalismo Freelance entrevista Giovanni Vescovi;
Pai de campeã de xadrez fala sobre os benefícios educacionais do esporte;
Entrevista com Renato Quintiliano, campeão brasileiro de xadrez sub-16/2008.

Anúncios

Sobre Naldo
Jornalista e escritor.

7 Responses to Entrevista com a campeã brasileira de xadrez, Agatha Hurba Nunes

  1. Agatha says:

    Ficou muito legal o vídeo !!! GOSTEI MUITO !!!

    • Naldo says:

      Oi, Agatha, tudo bem?

      Muito bom, também gostei… rs… rs… rs…

      Olha, teve um pessoal que pediu as “coordenadas” de uma ou de todas as partidas que lhe deram o título de campeã brasileira. Você pode postar aqui em “comentários” se quiser. Abraço!

  2. Pingback: Roberto Stelling dá as dicas para quem quer ser árbitro de xadrez « Jornalismo Freelance

  3. Pingback: Entrevista com Renato Quintiliano, campeão brasileiro de xadrez sub-16/2008 « Jornalismo Freelance

  4. Pingback: Pai de campeã de xadrez fala sobre os benefícios educacionais do esporte « Jornalismo Freelance

  5. Pingback: O blog Jornalismo Freelance entrevista Giovanni Vescovi « Jornalismo Freelance

  6. Pingback: O jogo de xadrez faz mágicas na educação « Jornalismo Freelance

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: